segunda-feira, 6 de junho de 2011

DE VOLTA

Numa pausa das gravações de "De Corpo e Arte"

Faz algum tempo que não consigo postar aqui. Não por falta de vontade, mas por falta de tempo e energia mesmo. Gravando o meu segundo curta-metragem, "De Corpo e Arte", e novamente no estilo “faça você mesmo”, estava impossível parar e organizar algumas ideias. Tantas coisas aconteceram nesse período e eu nem pude dar os meus pitacos costumeiros, mas uma delas, imediatamente, me chamou atenção e eu achei que valia a pena o registro no momento (com um certo atraso, mas tudo bem): a passagem da ensaísta ítalo-americana Camille Paglia pelo Brasil.
A primeira vez que ouvi falar dela foi numa entrevista que a Marília Gabriela fez, se não me engano com a Madonna, onde o assunto deveria ser feminismo. Pesquisando na internet, descobri que ela escreve frequentemente sobre cultura pop e arte em geral e o seu jeito franco e polêmico tanto agrada quanto irrita as pessoas. Há duas semanas, num congresso internacional de jornalismo cultural, em São Paulo, ela metralhou a Lady Gaga, rebaixou a ensaísta Susan Sontag – no que eu discordo –, atacou o puritanismo, brincou com o próprio fato de gostar de pornografia e ter vindo de uma família cristã – assim como Madonna e o fotógrafo Robert Mapplethorpe , se disse apaixonada por música brasileira, fã de Daniela Mercury e Elis Regina, etc... No entanto, o que escolhi pra comentar não tem nada a ver com essa salada verborrágica, mas, sim, uma entrevista que ela concedeu ao jornal Folha de S. Paulo, dias antes de embarcar para o Brasil. Nessa entrevista, ela afirma que a internet empobrece a cultura. De cara, achei o assunto bastante espinhoso e fui correndo conferir o seu ponto de vista.
Selecionei apenas dois trechos, porque a entrevista é longa. “Não estou contente sobre o que está acontecendo no mundo das artes, da literatura. Há uma grande mudança geracional. Jovens estão mergulhados na tecnologia e na internet, se comunicando por mensagens no celular, no Facebook, Twitter, o que tira muita energia criativa das artes tradicionais. / O que acontece é que desde que a web foi globalizada, há um vazio. O tipo de imagens que vêem na tela não têm a mesma qualidade das imagens da história da arte, imagens a óleo”. Levei então o assunto para o set e a discussão se polarizou. Eu mesmo defendi que a internet realmente tem promovido um certo vazio cultural, mas, por outro lado, ela possibilitou o surgimento e a promoção de novos artistas e democratizou o acesso às formas mais variadas de arte. O que vocês acham? Pra mim, tudo depende de uma questão de bom senso mesmo, como tudo na vida, mas é claro que existe, sim, uma mudança negativa no comportamento das pessoas, depois das redes sociais. E nem estou falando só da exposição nossa de cada dia, na rede. A própria Folha de S. Paulo, cujo site sempre acompanho, passou a noticiar também as maiores banalidades do showbizz. Outro dia, por exemplo, me assustou o fato de um trocadilho infame da apresentadora Ana Maria Braga ter virado notícia de destaque. Depois saberia que o assunto tinha sido um dos mais comentados no Twitter.
Nem é preciso dizer que alguns artistas aproveitam também as redes sociais e blogs para criarem polêmicas ridículas. Também, há pouco tempo, o cantor Ed Motta disse meia dúzia de bobagens, no seu Facebook, sobre a falta de beleza do povo brasileiro. Claro que ele tem todo direito de ter aquela opinião deselegante, mas será mesmo que ele não imaginava que aquilo iria virar notícia? Que teria aquela repercussão? Bem, exemplos assim não faltam. O pior é que, por mais que você tente se desviar desses assuntos, eles sempre acabam tropeçando em você. Fiquei bem irritado e reduzi as minhas entradas no Twitter, no Facebook, comecei a flertar com Tumblr e parei... Sempre serei um entusiasta da internet, mas, neste momento, estou apenas “apreciando com moderação”, o que não quer dizer também que ficarei longe daqui. Estou voltando aos poucos. Em breve, postarei as novidades do novo curta. Acho que vocês vão gostar! Por enquanto, tentem me aceitar de volta rs. Abração!

6 comentários:

Paulo Braccini - Bratz disse...

Que coisa boa tê-lo por aqui de novo ... qto à questão suscitada eu não sou tão radical ... cada geração e cada inovação tecnológica tem o seu período de adaptação, de maturação, etc ... Com o tempo tudo chega ao seu lugar e o q for importante e de valor sobrevive e o q não cai no esquecimento ... qta coisa tosca tb foi produzida e dita em tempos outros e que, por serem toscas nós nem ficamos sabendo ...

Athila Goyaz disse...

A internet é ótima, eu acho que os artistas não deviam banalizar suas idéias na rede porque desse modo eles estão se rebaixando.
Abraço!

RAFAEL disse...

Não posso dizer que internet me desagrada. Acho tudo muito democrático na globosfera. O acesso a algumas coisas que antes seria possível apenas por intermédio de livros caríssimos ou viagens, hoje se tem ali, facinho, ao alcance do seu toque.

Que as próximas gerações serão de “alienados culturais” isso é um fato, por que a molecada perde a oportunidade de se instruir para ficar de tre le le (de 140 caracteres) despejando idiotices preconceituosas, desnecessárias mundo afora.

A internet é um veiculo mais perigoso as celebridades do que aos anônimos. Manchetes de sites como o “EGO” são tão ridículos e desnecessários que o editor deveria se envergonhar de ser chamado de jornalista.

Ainda vejo a internet como um jovem perdido, meio sem rumo. Espero que ele cresça e tome consciência do seu papel na sociedade, por que se resolver seguir por caminhos adversos, o mundo irá acabar não por cataclismas, mas pelas mãos imbecis de alguma pseudocelebridade afoita por sucesso!!!

Bem vindo de volta...espero que seu curta metragem esteja prontinho e redondo...

abraço

Dan disse...

Opa!
Nossa, fazia tempo que não passava por aqui.
Voltou com um ótimo tema, e confesso, tenho que saber mais sobre Camille. Fiquei curioso.

Curioso também pelo novo curta...
e sem deixar de comentar: bela foto!
=)

Pequeno peixe disse...

Você só será perdoado pela ausência devido o bom motivo, o curta, e a excelente postagem...!Adorei o tema!
Bom ter essas postagens de volta! Abraços...!

Papai Urso do Interior disse...

A internet é mesmo imediatista, vive o boom do agora e amanhã já equivalerá ao jornal impresso que antes "embrulhava peixe na feira". Mesmo com a resistencia de Camille Paglia, internet veio pra ficar, não gosto e domino tudo, não curto facebook nem twitter, mas blogs são ultranecessários como formadores de opinião e filtros de assuntos polêmicos, aliás falando em blogs, tô conhecendo o seu hoje, gostando de tudo que li até agora.