segunda-feira, 13 de novembro de 2017

+ PRÓXIMOS (WEBSÉRIE LGBT+)




Oi pessoal,

Passando por aqui para convidar...

Bom, antes disso, quero primeiro explicar o meu sumiço daqui. Tenho um carinho enorme por esse espaço, aqui registrei os dias mais trágicos (eu exagerando ahah) e os mais bacanas da minha vida também. Comecei com o “Mundo Imaginário”, acho que muita gente se lembra dessa fase, depois fui mudando até chegar ao “Blog do Luis Fabiano”, onde registrei meus dias de uma forma mais leve, meio inocente, com muita literatura, experimentei também, às vezes postava crônicas, contos, enfim, o blog me acompanhou em várias fases, mas a minha saída do Brasil em 2011 coincidiu com um novo momento da minha vida, onde não cabia tanto escrever como eu escrevia. Sim, cada post era feito nos mínimos detalhes, eu cuidava desse espaço como quem cuida de um jardim. E morando na Holanda eu já não tinha mais tempo, a cultura aqui é muito diferente, muito embora sempre vi e acompanhei muitas coisas do Brasil, mas meu ritmo é outro, eu estava envelhecendo também, precisava procurar novas distrações, etc. Mas o que realmente me fez parar de postar aqui foi a morte do meu grande amigo Callebe, em 2013. Nós que nos conhecemos na internet, ele tinha também o blog dele no Blogspot, o fotolog (sim sou velho), Orkut, etc. De uma hora pra outra, soubemos que ele tinha sido internado e semanas depois faleceu. Nunca me recuperei dessa ausência e achei que este espaço me lembrava muito ele e então parei mesmo de postar.

Quando comecei a fazer curtas-metragens, em 2011, também registrei aqui esse começo, mas depois não voltei pra atualizar minha caminhada no audiovisual e ainda me mudei, abri um blog no meu site www.luisfabianoteixeira.com. De lá pra cá, meu amigo Tiago Cardoso e eu montamos uma produtora de cinema, pequena pra começar, a Mar de Ideias Conteúdo Cultural, onde fazemos nossos filmes, fomos pra vários festivais, fomos premiados no Brasil e fora dele também, estamos no nosso filho de número 7 e por isso achei que voltar aqui fazia todo sentido, afinal, o protagonista da nossa websérie + Próximos, esta que estou promovendo agora, escreve num blog e essa memória veio exatamente daqui, de quando eu escrevia para este blog.

+ Próximos é uma websérie de ficção, de 5 episódios (aproximadamente 6 minutos cada), produzida e dirigida por mim e pelo Tiago, e estará disponível no YouTube, a partir do dia 01/12 (Dia mundial de combate à AIDS).

Daniel (Lucas Onofre) e Antônio (Renato Almeida) se amam, mas a condição do primeiro, que é soropositivo, coloca em xeque o futuro da relação. Entre os dois está Karina, melhor amiga de Daniel e também amiga de Antônio.

Tudo é abordado de forma respeitosa e direta, misturando suspense, drama, romance e uma pitada de comédia. E, claro, uma contrapartida social também: uso de camisinha, teste de hiv e relacionamento entre casais sorodiferentes. Aliás, uma das preocupações do roteirista era não escrever diálogos que evocassem culpa ou algum tipo de julgamento dos personagens.


Ao invés de ficar escrevendo e escrevendo, convido vocês para conhecer o nosso canal do Youtube/produtoramardeideias e ter um gostinho do nosso trabalho que estreia no dia 1/12. Depois, por favor, me digam o que acharam. Eu não sei se a maioria, aqui, continua com os seus blogs, provavelmente não, mas ficaria muito feliz, se alguém me dissesse que me conheceu naquela época, entre 2007 e 2011. 

O nosso trailer está aqui embaixo. Quem puder ajudar a divulgar eu agradeço muito, afinal este é um projeto coletivo, com uma causa superbacana e estou cada vez mais empolgado em propagar uma nova forma de ativismo que é usar a internet pra fazer o bem. Estou fazendo a minha parte e espero que você também faça a sua. Um mundo melhor só depende de nossas atitudes, não é mesmo? Abração e até a próxima!


segunda-feira, 13 de março de 2017

SEREIOU

Olá
Estou indo pra Heiloo e no caminho escrevo sobre a série nova que tem o título provisório de Sereiou. Já faz quinze dias ou um pouco mais que comecei essa série de colagens novas, então posso falar com mais consciência sobre o que estou criando, apenas agora. O tema é basicamente o que temos acompanhado na mídia, de uns tempos pra cá: empoderamento das mulheres, negros e gays. O básico é isso. Resolvi usar como imagem de desconstrução, dessa vez, a sereia. Por quê? Não tem nada a ver com a nova novela da Globo. Já adianto. Quando eu tinha uns 11 ou 12 anos, me lembro de ter visto uma imagem de uma sereia linda num gibi da Mônica. Reproduzi esse desenho num trabalho de escola e essa imagem nunca me saiu da cabeça. Outro dia, estava passeando em torno da feira da Waterlooplein, no Centro de Amsterdam, e na vitrine de uma loja de chocolates, vi a imagem pueril de uma sereia sendo levada nos braços por um marinheiro. Fiquei encantado e passei ali alguns minutos admirando aquela belezura. Me senti a própria Holly na vitrine da Tiffany kkk. Era a confirmação. Fazia um ano que não pintava ou colava, pois bem, a hora chegou. Estou divagando, mas o fato é que essa necessidade bateu fundo e veio como uma forma de me salvar de toda loucura e todo o resto que tem sido morar em Amsterdam, ter a minha âncora aqui e meu coração e minhas emoções no Brasil. Mas voltando... A sereia é pra mim uma imagem de poder incrível, me remete à liberdade, ao mesmo tempo em que simboliza a diferença. Por que não desconstruir essa imagem pra falar de mulheres que querem apenas o seu espaço reconhecido na sociedade? Comecei os trabalhos de forma bem tradicional como sempre faço, fazendo a colagem clássica, as cores e temas básicos, tudo pequeno, porque nao tenho espaço em casa... e fui pirando, pirando... No meio disso tudo, veio o Carnaval e acompanhei algumas discussões que resolvi trazer para as telas: Anitta acusada de apropriação cultural por usar tranças, Daniela Mercury de fazer blackface (oi?) no seu trio, Pabllo Vittar estourando com o hit que diz (Não espero o carnaval chegar pra ser vadia) e por aí vai... Daí eu me pergunto se se apropriar de algo historicamente reconhecido por pertencer a uma determinada cultura é errado? Pra mim, não. Fazendo com respeito e conhecendo de onde aquilo vem que mal tem? As minhas sereias vão ter, sim, cabelos coloridos e rostos multicores. É a minha forma de dizer, o mundo é diferente e faço parte dele. A mulherada vai aprovar, tenho certeza. Acompanhem os próximos posts e saiba mais sobre os bastidores dessa empreitada artística com uma pegada política. Vamos ver aonde vou chegar. Beijão