terça-feira, 15 de dezembro de 2009

RELICÁRIO






Prometi postar alguns trabalhos novos com colagens e aqui estou para pagar a minha dívida. Muito também impulsionado por uma espécie de “teste” que fiz agora pouco, no Messenger, onde coloquei no meu display uma foto em que estou, pasmem!, de cueca boxer branca, dorso nu, sentado de frente, uma perna tocando o chão e a outra dobrada sobre a minha cama, olhos levemente fechados, numa atmosfera bem onírica. Não tem nada de escandaloso, pornográfico, etc. Talvez não passe de uma foto “sexy”. Bem, houve um certo reboliço, algumas pessoas pediram insistentemente a imagem, que é em preto e branco e muito inspirada nos belos trabalhos do fotógrafo Bruce Weber. Lá pelas tantas, houve uma reação do tipo: “Mudei os meus conceitos em relação a você”. Não vou fazer aqui uma tese sobre moralismo ou o que faço ou deixo de fazer com a minha própria imagem, mas cabe apenas uma explicação. Quando procuro me autorretratar dessa forma mais “artística” é tão-somente para “brincar” com referências do universo da moda, porque tem muito a ver com arte. E isso também nem é um desabafo, porque quem me conhece de verdade sabe que eu não sou um sex symbol ou algo do gênero. Guardem apenas esse acontecimento, pois vou retomar o assunto na conclusão do post e vocês logo entenderão o porquê.

No ano passado, o calendário dos padres sexies esteve ali, lado a lado com o da Pirelli, em termos de audiência. Neste ano, a bola da vez são os mórmons “descamisados”. Então eu me questiono onde foi parar aquele velho discurso dessas religiões sobre a exposição do nosso corpo e tudo mais. Vejam bem, não sou contra esse tipo de exposição, apenas me incomoda quando há um certo exagero. E fica aqui até uma espécie de mea culpa, porque já tive também a minha fase hedonista, no passado, mas falo agora de modo geral, porque o excesso sempre banaliza. Também me irrita a incoerência dessas religiões que todos nós sabemos que costumam, sim, segregar muitas pessoas, usando ou não a Bíblia como parâmetro.

A série de imagens que criei dei o nome de “Relicário” e as razões já foram citadas, no post do dia 1º de dezembro, só quero acrescentar que não faz muito tempo que li um texto muito interessante em “O Crepúsculo dos Ídolos”, de Nietzche, em que ele aparece como um destruidor de ídolos e entrega-se à tarefa de livrar o homem de suas crenças religiosas. Não partilho dessa posição radical, claro, mas me interesso também em mostrar que tanto o paganismo quanto o cristianismo se serviram de múltiplas possibilidades de divinização da existência. Por isso esse novo trabalho une sagrado e profano, mostrando que essas imagens tanto ocultam como revelam, tanto assustam como seduzem. E isso não é nada original, este ano mesmo foi até "tendencinha". Vários fotógrafos como David LaChapelle e a dupla Pierre e Gilles trabalham esse tema do simulacro muito melhor, com recursos modernosos de computador e todo um aparato de direção de arte. Preferi uma técnica bem mais simples, que todo o seu conceito lembrasse a nossa cultura popular com o seu colorido, que tivesse um charme kitsch, humor, enfim, o resultado me agradou bastante. Postei só um "aperitivo", mas espero que vocês curtam.

Só pra finalizar o assunto “minha foto de cueca” e já linkar com tudo que escrevi depois: tenho a impressão de que estamos vivendo um momento bem confuso, onde há um forte desejo indiscriminado de “desnudar” o outro, mas, ao mesmo tempo, não sabemos se nos sentimos culpados por isso, se comemoramos, se nos penitenciamos ou se fazemos tudo isso junto, como no já clássico episódio do vestido curto daquela estudante que foi execrada pelos estudantes da UNIBAN e saudada por muitas mulheres como uma “mártir” feminista, dos novos tempos. Bem, vou ficando por aqui, porque tenho que entregar encomendas de quadros pro Natal, no próximo finde, em São Paulo. E na sexta ainda quero postar sobre música. Então, abração a todos! Fui.

9 comentários:

Jay e Alê disse...

Meu amigo,
Bom que você apareceu pra dar aquele oi sempre atencioso e sincero.
Vamos lá.
1. Sinceramente, eu não vi a foto de que você fala - claro não estou na sua lista do Messenger - mas definitivamente acho que você não deveria se dar ao tempo de explicar nada ou mesmo se justificar. A arte precisa ser melhor compreendida e arte não deveria mudar conceitos, muito ao contrário deveria realçar e reeditar conceitos novos e mais em sintonia com a realidade.
2. Sobre o seu relicário. Irreverente, ousado, realístico no que diz respeito a "realidade de tempo e espaço" é isso, o sagrado e o profano se perpassam é a natureza dos conceitos em voga...
3. O Ká Entre Nós tem um Quadro mensal chamado: FALANDO SÉRIO. Estou te convidando a ser o participante de Janeiro. Seria um prazer ter você em nosso quadro. Me responda via e-mail sobre o que acha da idéia (jason.waider@hotmail.com)aí te passo mais informações. Vai ser uma excelente oportunidade de expor mais suas idéias e trabalho. Fico aguardando.
4. Fico feliz com sua participação na postagem coletiva.
Ooooops já falei demais.
bjo
Jay

Leuuooo disse...

Oi Lu
Acordei inspirado hoje, já colocando a minha leitura em dia!
A dicotômia, bipolaridade, o sim e o não, o paganismo e o cristianismo, o bem e o mal, somos pautados por esta diferença básica e oposta, acredito que por sermos um meio termo de tudo isso, ora estamos num pólo, ora noutro.

Transitamos entre diversos aspectos, às vezes reagindo mais intensamente à eles, outras sequer expressando reação.

A polêmica se faz quando essa movimentação se dá nas estruturas, não no vai-e-vem da sociedade, mas nas bases de família, religião e política, ai temos o caos, a discussão, e neste ponto acredito que muitos expõem-se demasiadamente, e caem no desnecessário exagero.

Pra encerrar, gostaria de conmvidar-me a fazer parte da seleta lista que pode contar com a sua foto "sex symbol" no MSN ... pretendo avaliar as condições apresentadas pela imagem e como público comentar o furor ue ela causa! hauhauhaa

Beijo Lú
Hugo Leonardo.

Gilson disse...

Fabiano

Excelente trabalho, arte pura. Eu sou católico praticante e não me ofendi com nada, como sempre digo um verdadeiro artista sabe manipular as situações sem agredir e sem gerar polêmicas. As colagens estão sensacionais.
Agora fica aqui a minha reclamação, como não sou adepto de MSN e etc, gostaria que você postasse sua foto no Blog também, porque a discriminação com os Blogueiros...rs.rs......

Parabéns, quero ver mais de sua arte, faça mais posts com elas e coloque esse quadro de Natal que você vai entregar na sexta.

Abs

Reflexo d Alma disse...

Eii!!
Cadê a foto do msn!!!!!!
To brincando.
Mas quer saber, todos pregam liberdade, pregam mente aberta
mas só ate a hora de provar isso.
Em tese é mais possível que na pratica.Lamento a hipocrisia humana.
Postei um texto teste em conto no meu espaço, essa ja é terceira tentativa e creia
somente essa vez as pessoas certas e verdadeiras tem lido e comentado.
Estudo uam forma de escrita que logo será lançada ,ela falara para e de
seres.
Sem essa coisa de certo e de errado.
Adoro ousadia e autenticidade.
Bjins entre sonhos e delírios

Arthur Alter L. disse...

Olá Luis,
Será difícil dizer algo sem ser repetitivo depois do brilhante comentário do Jay e tb do Leuuooo, creio que eles conseguiram sintetizar o que justifica a hipocirisia de um lado e a leitura da arte no tempo e no espaço atual que por outro, é de fato uma tarefa uma que exige abertura à novidade e quebra de modelos ingênuos do que seja arte e não são todos que são capazes de fazer isso imparcialmente.
Espero conhecer mais de seus trabalhos. E caso vc aceite o convite do Jay, com certeza será uma oportunidade e tanto pra que eu a conheça melhor. Parabenizo sua sensibilidade e capacidade artística. E como artista deves saber que sua arte sempre passará por esses crivos sociais, os quais nem sempre são coerentes com a realidade.
Enfim, final de ano é sempre corrido pra todo mundo.
Feliz por vc reservar um tempinho pra dividir comigo.
Abraço e sucesso sempre.

Rafael Lopes disse...

Você pode fazer o que quiser e não se preocupar com que os outros vão pensar.

Aliás, não vi está foto sua. Tem como ver? rss

abraço
bom fdis pra ti sumido

Paulo Henrique de Moura disse...

Eu tive a imensa sorte de ganhar um São Sebastião lindissímo desta série de imagens de presente de Natal! Fiquei muito Feliz quando abri a correspondência e vi o que tinha dentro. Super lindo seu novo trabalho Luis. Obrigado pelo presente e pelo Kit Fé 2010!

:)

Larita disse...

eu tinha comentando nesse, eu lembro que tinha =(

Richard Mathenhauer disse...

Redundância qualquer comentário!

Só uma observação: partilho da opinião radical de Nietzsche! rs

Com admiração,